HISTÓRIA

Década de ouro alvinegra

No dia 19 de junho de 1932, o Tupy começava a se estruturar de maneira definitivamente profissional e inaugurava o seu estádio próprio, o Salles Oliveira, no bairro de Santa Terezinha, uma homenagem ao ilustre torcedor do clube, o advogado, professor, jornalista e político, o Dr. Francisco de Salles Oliveira. Na época, o estádio foi considerado um marco para a região, pois era o maior e mais moderno da Zona da Mata. Tinha como objetivo ser uma praça de esportes, pois juntamente com o campo de futebol, existia espaço para basquete, vôlei, pista de atletismo e também um salão de festas. Desta forma, o clube começava a criar o seu patrimônio.


No jogo de inauguração do estádio, o Tupy enfrentou o Clube de Regatas Vasco da Gama do Rio de Janeiro, e houve empate em 1 a 1. O primeiro gol em Santa Terezinha foi aos 10 minutos do segundo tempo, sendo marcado pela carijó Bianco. Cerca de oito mil pessoas assistiram aquela partida de inauguração do estádio do Galo. As equipes jogaram desta forma aquele jogo histórico: Tupy: Pachoal (depois Armando), Nariz e Belozzi; Caiana, Lima e Magalhães; Vavá, Miro, Lage, Bianco e Nery. O Vasco: Marques, Domingos e Itália; Tinoco, Mamão e Lino; Baiano, Paschoal, Russinho, Mário Mattos e Santana.


Em agosto de 1933 era inaugurada a iluminação elétrica do Salles Oliveira, mesmo ano em que o futebol, enfim, se tornava profissional na cidade de Juiz de Fora. Neste ano, o Tupy se sagrava campeão da cidade de maneira invicta, além de conquistar o vice-campeonato estadual. Esta equipe era formada por: Adinho, Paixão, Belozzi, Lage, Miro, Jairo, Oliveira, Caiana, Coruja, Onestaldo, Magalhães, Lima, Bianco, Nery, Geraldinho e Michel.

placa 2.jpg

Homenagem do Vasco da Gama ao Tupi pela inauguração do estádio Salles Oliveira

O Tupy tornou-se um time quase imbatível na cidade a partir da década de 30, período que ficou conhecido como a “década de ouro” do Galo, e sagrou-se tricampeão de Juiz de Fora, sendo campeão invicto em 1935 e 1937. No entanto, anteriormente em 1933, o Tupy faria uma das suas melhores campanhas de sua história, se tornando o primeiro vice-campeão mineiro, e tendo de quebra o artilheiro do torneio, Lage, com 13 gols. 

 

 

 

Naquele ano a Federação Mineira promoveu a unificação dos dois campeonatos no Estado, o de Belo Horizonte e o de Juiz de Fora, e colocou em disputa o título de Campeão Mineiro pela primeira vez, e o Villa Nova de Nova Lima se tornaria o grande campeão e o Tupy, vice. A campanha do Galo foi marcada por importantes resultados, como vitórias de 5 a 2 contra o Atlético, 4 a 2 sobre o Sport, 6 a 2 sobre o América e 4 a 3 diante o Cruzeiro, tendo apenas três derrotas, umas delas para o campeão Villa Nova. O Galo carijó, no entanto, só voltaria a disputar o Campeonato Mineiro 36 anos depois, pois a unificação dos campeonatos de Belo Horizonte e de Juiz de Fora foi considerada deficiente.


O Tupy e os demais clubes de Juiz de Fora continuaram disputando os campeonatos da cidade por mais 20 anos. O torneio passou a contar com times da Zona da Mata e da Mantiqueira e passou a ser chamado de “Divisão Especial” pela Federação Mineira. Entretanto, em 1961, os clubes da então “Divisão Especial”, se negaram a aceitar o critério de rebaixamento e acesso criado para o Campeonato Mineiro, com o surgimento do Campeonato da Primeira Divisão, que foi disputado pelos times das regiões centrais e do Triângulo mineiro.


Cerca de 30 anos depois de sua fundação, no ano de 1942, o Tupy Foot-Ball Club passaria a se chamar Tupi Foot Ball Club, e no mesmo ano reviveu o jogo de inauguração do Estádio Salles Oliveira, um confronto diante o Vasco da Gama e dessa partida, resultaria um novo empate em 1 a 1. Ainda em 1942, o estádio Salles Oliveira recebeu uma nova iluminação.


A década de 40 foi recheada de vitórias para o Tupi. O clube conquistou diversos títulos nessa década, inclusive um em 1945 sem perder um ponto sequer. Em 1948, o Galo carijó enfrentava em um amistoso o Galo da capital, o Atlético Mineiro e vencia por 2 a 1. Em 1950, o clube enfrentou o tradicional Bangu do Rio de Janeiro e, mais uma vez, conquistava uma vitória, outra vez o placar do confronto foi de 2 a 1.

Francisco de Salles Oliveira.JPG

Francisco de Salles Oliveira

tupi 1933.jpg

Tupi em 1933

Tupi-década-de-40.jpg

Tupi na década de 40

 

 

 

A década de 50 não foi muito diferente. O Tupi continuava a conquistar importantes títulos e vitórias, com destaques para os títulos de 1951 (invicto), 1952, 1954 e 1958, e para as vitórias diante o América do Rio de Janeiro por 1 a 0 e em cima do Cruzeiro por 2 a 0, em 1952. Quatro anos depois, o Tupi vencia mais uma vez o Atlético Mineiro por 2 a 0 e ratificava sua importância no Estado de Minas Gerais. Em 1962 o Tupi teve sua primeira vitória, atuando em campos do Rio de Janeiro, com o resultado de 3 a 2 em cima do Botafogo em General Severiano. O Galo jogou esta partida com este time: Hélio, Pino e Ely; Mauro, Gonzaga, Carango e Adilson; João Pires, Jorge, Murilo e Toledo.


Ainda em 1950, de acordo com as necessidades de se construir uma sede social, o Tupi acabou sendo obrigado a se sacrificar, e acabou trocando o Estádio Salles Oliveira por um terreno na Rua José Calil Ahouagi, onde seria construída posteriormente a sede social do Clube. Desta forma, no ano de 1950, o Estádio Salles Oliveira passou a pertencer à Prefeitura de Juiz de Fora. Ainda por algum tempo, o Tupi disputou suas partidas no Estádio, até que o poder municipal tomasse a posse em definitivo do patrimônio.

 

 

 

Sabedor da importância do Salles Oliveira, o Tupi resolveu fazer uma permuta (troca) de um terreno que possuía na Avenida dos Andradas com a Prefeitura, onde hoje é o Pronto Socorro, recuperando então o Estádio. Nesta troca, o Tupi ficaria ainda obrigado a restituir cerca de 600 mil cruzeiros na época, porém essa dívida acabou perdoada pelo então Prefeito Olavo Costa, com grande esforço de Gabriel Gonçalves da Silva, o Bié.


Nesta época, o clube alvinegro ganhou seu primeiro estatuto impresso.  O Dr. Salles Oliveira já havia reorganizado o Clube como Associação Esportiva Civil, porém, ainda em 1931, houve nova reformulação, só que desta vez de forma definitiva. Posteriormente, o estatuto foi reformulado.

tupi 1951.jpg

Tupi em 1951 no Salles